publicado por atmosfericamente_activas | Segunda-feira, 18 Maio , 2009, 21:49

Variação da pressão atmosférica com a temperatura (dia quente de Verão )

 

Quando a temperatura se eleva à superfície a pressão diminui, porque o ar ao aquecer dilata e torna-se, por isso, menos denso (mais leve), o que se reflete no decréscimo da pressão. Em consequência o movimento do ar é convergente à superfície e ascendente em altitude (o ar mais leve tende a subir), originado assim um ciclone de origem térmica.

A este tipo de centro barométrico estão associadas as chuvas de tipo convectivo. O ar ascende rapidamente, expande-se e vai arrefecer em altitude, verificando-se a condensação e, consequentemente, a chuva (aguaceiros fortes - chuva de trovoada muitas vezes com queda de granizo).

Esta situação é muito comum nas regiões quentes e húmidas (tropicais) e no Verão no interior dos continentes, nas regiões temperadas. Em Portugal e nos restantes países Mediterrânicos este tipo de chuva é pouco frequente pois a Cintura Anticiclónica Subtropical impede as chuvas no Verão (inviabiliza a formação dos ciclones de origem térmica). 

 

 

Variação da pressão atmosférica coma a temperatura (dia frio de Inverno)

 

Quando a temperatura diminui a pressão aumenta, porque o ar ao arrefecer contrai-se e torna-se por isso, mais denso (mais pesado), o que faz com que a pressão aumente. Neste caso, o movimento do ar é descendente em altitude (o ar mais pesado tende a descer) e divergente à superfície.

Uma vez que o ar desce, afastando-se do ponto de saturação, não se gera instabilidade atmosférica e por isso não chove. Esta situação é frequente nos Invernos dos climas temperados e frios continentais. Normalmente, em Portugal, no mês de Fevereiro as temperaturas baixas potenciam a formação de um anticiclone de origem térmica, daí que este mês apresente menos precipitação que os meses de Janeiro e Março.

 

 

 


publicado por atmosfericamente_activas | Sábado, 09 Maio , 2009, 16:42

A circulação do ar entre os centros de pressão

 

Gradiente de pressão - consiste na variação atmosférica segundo uma direcção perpendicular às isóbaras e dirigido para os valores mais altos da pressão. Se, numa área extensa, a pressão atmosférica não variar, o gradiente de pressão é nulo nessa região.

 

A rotação da Terra origina a Força de Coriolis - a intensidade desta força é proporcional à intensidade do vento e varia com a latitude, no equador é nula e nos pólos é máxima. No Hemisfério Norte o desvio do movimento do ar, resultante da actuação desta força é para a direita e no Hemisfério Sul é para a esquerda.

 

Outra força que actua sobre o ar é a força de atrito. Esta força é gerada sempre que existe movimento relativo entre o ar e a surperfície do globo ou entre camadas de ar  adjacentes. O seu efeito consiste em reduzir a intensidade do vento e em desviá-lo no sentido das baixas pressões. À superfície do Globo, o efeito do atrito é maior sobre terra do que sobre o mar. Acima da camada de atrito, que tem cerca de 1km de espessura, o atrito torna-se desprezável.  

Se o ar se deslocar numa região onde não haja atrito e se as isóbaras forem rectilíneas, estabelece-se um equilíbrio entre a força de gradiente de pressão e a força de Coriolis, e o ar segue um movimento rectilineo e uniforme, trata-se do vento geostrófico.

 

 


publicado por atmosfericamente_activas | Domingo, 26 Abril , 2009, 12:29

Dia
Hora
Pressão (mb)
Pressão ao nível médio do mar (mb)
2
10:05
976,0
1015,5 
3
13:20
974,0
1013,5
9
10:05
979,0
1018,5
10
10:30
981,0
1020,5
11
9:57
980,0
1019,5
12
 
979,0
1018,5
13
 
980,0
1019,5
16
10:05
980,0
1019,5
17
13:30
979,0
1018,5
19
10:50
976,0
1015,5
20
8:00
975,0
1014,5
23
10:05
977,0
1016,5
25
10:30
973,0
1012,5
26
10:50
972,0
1011,5


publicado por atmosfericamente_activas | Quinta-feira, 19 Março , 2009, 16:29

 

“O tufão que caiu sobre Castelo Branco
 
Castelo branco, a nossa linda cidade acaba de sofrer o maior golpe da sua existência.
Um violento tufão caiu sobre ela, no passado sábado, as 12h50.
Em pouco mais de 30 segundos as lindas avenidas transformaram-se, como num pesadelo. Juncam-nas agora montes de entulho, arrancados dos prédios modernos, e por terra jazem quase todos os vidros das montras feitas em estilhaços.
Não foram só os estragos materiais que alguns calculam muito para cima dos vinte mil contos.
A cidade está de luto. Quatro vidas já se extinguiram, vinte ainda perigam e sobem a duas as centenas de feridos.
Nos olhares dos seus habitantes nota-se ainda um misto de tristeza.
Mas há também o orgulho dum civismo e abnegação incomparáveis.
Como foi admirável o exemplo de todos os proprietários de automóveis e camionetas que ocorrem a toda a velocidade ao local onde mais feridos havia – Avenida Nun’Alvares – e os transportavam ao Hospital e casas de saúde.
Que belo exemplo nos deram os clínicos da cidade, que, como um só, se dirigiram ao Hospital e ali, bem poucos como são para tão grandes números de feridos, a todos tratavam rapidamente.
Mas, o corpo de bombeiros, estes nossos admiráveis bombeiros, esqueceram-se de si próprios e todo o dia, sem qualquer alimento, fizeram prodígios.
Numerosos populares se ofereciam e auxiliavam o transporte de feridos…"
 
 

 

                          Instalações do Quartel do Regimento de Cavalaria 8
                                        após a passagem do tornado.
                 Momentos antes, o refeitório estava cheio de soldados do Regimento.

 


publicado por atmosfericamente_activas | Sexta-feira, 13 Março , 2009, 09:04

 

 Tornado

 

 

O tornado é uma tempestade ciclónica intensa, que se podeformar sobre a terra ou sobre o mar, com aparência de uma coluna móvel afunilada, caracterizada pela rápida ascensão de ar quente e húmido de baixa altitude em direcção as partes mais altas da atmosfera.

Ciclone

Ciclone.jpg image by lllRAKlll

 

Um ciclone é um movimento de grande escala que pode ocorrer tanto na atmosfera como no oceano, caracterizado por um giro realizado pelo ar ou pela água ao redor de uma área de baixa pressão na atmosfera ou no oceano.

São os responsáveis pelas instabilidades climáticas em quase todas as regiões da Terra, ou seja, é uma formação produzida por grandes massas de ar em alta velocidade de rotação, e que favorece a formação de nuvens e precipitações.

Os ciclones classificam-se em tropicais e extratropicais. Os ciclones tropicais tendem a ser mais violentos que os de latitudes médias e às vezes causam grande devastação.

  • Ciclone tropical é um sistema tempestuoso caracterizado por um sistema de baixa pressão, por trovoadas e por um núcleo morno, que produz ventos fortes e chuvas torrenciais. Atribui-se a sua existência ao contacto do ar tropical com o ar equatorial, em progressão para o norte, durante o verão boreal, ou para o sul, no verão austral.
  • Ciclone extratropical, às vezes chamado de ciclone de média latitude, são perturbações ocasionadas por centros de baixa pressão. Ocorre nas latitudes médias da Terra, não tendo características tropicais nem polares, e em virtude da configuração gráfica que apresentam, em forma de depressão, foram também denominados depressões barométricas.

 


publicado por atmosfericamente_activas | Quarta-feira, 11 Março , 2009, 11:03

Tabela do mês de Fevereiro:

 

 

 

 

Dia
Hora
Pressão (mb)
Pressão ao nível médio do mar (mb)
6
16:00
962,0
1001,5
9
10:05
974,0
1013,5
11
9:21
981,0
1020,5
12
10:55
981,0
1020,5
13
7:40
981,0
1020,5
16
10:05
981,0
1020,5
17
11:00
981,0
1020,5
18
9:20
981,0
1020,5
19
12:30
988,0
1027,5
20
7:57
978,0
1017,5
26
10:50
980,0
1019,5
27
8:25
978,0
1017,5


publicado por atmosfericamente_activas | Quarta-feira, 11 Fevereiro , 2009, 10:36

                 Campos de pressões

O movimento da atmosfera (Figura 1) está intimamente relacionado com a distribuição da pressão atmosférica, muito embora existam outras forças intervenientes, que modificam bastante a tendência inicial do ar de mover-se directamente para as regiões onde a pressão estiver mais baixa. Assim, para se compreender a dinâmica dos movimentos do ar na Troposfera é necessário conhecer os princípios que regem a distribuição espacial do ar na superfície, que é caracterizada por meio da pressão atmosférica.
A distribuição da pressão do ar em superfície dá-se em decorrência da distribuição de energia e de unidade no globo, bem como seus movimentos (Mendonça & Danni, 2007).
 
 
 
Fonte:Mendonça & Danni-Oliveira, 2007                                           
Figura 1. Esquema da circulação geral da atmosfera
 

 


publicado por atmosfericamente_activas | Segunda-feira, 02 Fevereiro , 2009, 21:18

Tabelas de Dezembro de 2008 e Janeiro de 2009 .

 

 

Dia
Hora
Pressão (mb)
Pressão ao nível médio do mar (mb)
2
13:27
973,0
 
4
10:55
963,0
1002,9
5
11:00
968,0
1007,9
9
10:57
966,0
1005,9
10
10:55
968,0
1007,9
11
11:00
971,0
1010,9
12
8:37
968,0
1007,9
16
10:50
968,0
1007,9
17
10:00
971,0
1010,9
18
11:50
974,0
1013,9
19
14:20
979,0
1018,9

 

Janeiro:

 

Dia
Hora
Pressão (mb)
Pressão ao nível médio do mar (mb)
4
10:05
965,0
1004,9
5
10:05
960,0
999,9
6
10:30
968,0
1007,9
9
8:10
968,0
1007,9
12
10:10
978,0
1017,9
13
10:45
970,0
1009,9
14
9:40
974,0
1013,9
15
 
969,0
1008,9
20
11:45
957,0
996,9
21
10:45
960,0
999,9
22
11:53
963,0
1002,9
23
9:30
960,0
999,9
26
11:05
966,0
1005,9
27
11:55
970,0
1009,9
28
10:50
971,0
1010,9
29
 
972,0
1011,9
30
 
969,0
1008,9

 


publicado por atmosfericamente_activas | Segunda-feira, 02 Fevereiro , 2009, 21:15

Tabelas de Outubro , Novembro.

 

Outubro:

 

Dia
Hora
Pressão (mb)
Pressão ao nível médio do mar (mb)
1
9:25
972,0
1011,9
2
9:40
970,0
1009,9 
3
9:19
972,0
1011,9
6
12:00
973,0
1012,9
9
10:00
973,0
1012,9
10
10:00
974,0
1013,9
13
12:00
975,0
1014,9
14
12:00
974,0
1013,9
16
10:00
976,0
1015,9
17
10:00
975,0
1014,9
20
15:00
972,0
1011,9
21
18:00
969,0
1008,9
22
15:00
979,0
1018,9
23
9:00
974,0
1013,9
24
9:00
972,0
1011,9
27
9:10
972,0
1011,9
28
15:00
964,0
1003,9
29
10:10
965,0
1004,9
30
9:30
962,0
1001,9

 
 

Novembro:

 

Dia
Hora
Pressão (mb)
Pressão ao nível médio do mar (mb)
4
10:50
962,0
1001,9
6
11:30
974,0
1013,9
13
10:45
978,0
1017,9
18
10:20
978,0
1017,9
27
11:28
968,0
1007,95
28
7:47
961,0
1000,9

 


publicado por atmosfericamente_activas | Sexta-feira, 30 Janeiro , 2009, 09:36

Hoje postaremos a tabela de pressao atmosférica de Setembro, esperando brevemente apresentar os resultados das restantes mediçoes até ao decorrente mês.

Visto que as medições sao sempre realizadas no mesmo local:

A altitude é de 395 metros , a latitude é 39,92101N º e a longitude de 7,49793 Oº.

 

Tabela de Setembro:

 

Dia                   
Hora                
Pressão (mb)
Pressão ao nível médio do mar (mb)
1
9:54
970
1009,9
2
11:03
966
1005,9
3
9:55
967
1006,9
4
10:54
966
1005,9
5
11:28
968
1007,9
8
8:25
967
1006,9
9
10:36
967
1006,9
10
10:40
969
1008,9
11
11:32
970
1009,9
12
11:30
974
1013,9
15
11:14
972
1011,9
16
11:21
969
1008,9
17
10:40
974
1013,9
18
14:19
972
1011,9
19
9:50
972
1011,9
22
11:00
969
1008,9
23
9:12
968
1007,9
24
10:30
970
1009,9
25
9:15
974
1013,9
26
11:00
975
1014,9
29
11:00
972
1011,9
30
11:00
972
1011,9
  

 

 

 


mais sobre mim
Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds